/Polícia investiga caso da Baleia Azul no estado do Pará

Polícia investiga caso da Baleia Azul no estado do Pará

Uma jovem de 18 anos, moradora do município de Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, é a primeira vítima do jogo de suicídio conhecido por “Baleia Azul”, no Pará. Acompanhada da mãe, a moça registrou ocorrência policial na Delegacia de Repressão a Crimes Tecnológicos, no início da noite de ontem (26). Na primeira conversa que ela teve com a diretora da DRCT, delegada Vanessa Lee, a adolescente admitiu que tem vontade de se matar e que encontrou nas redes sociais pessoas que a incentivaram a cometer o ato, conforme o jogo estabelece. A jovem estava na fase em que teve de flagelar o próprio corpo.

Segundo a delegada Vanessa Lee, caso será investigado.

A situação só foi descoberta depois que amigos da moça desconfiaram do que estava acontecendo e alertaram os responsáveis da adolescente. A reportagem não teve acesso à vítima, que passará por acompanhamento psicológico e de assistentes sociais. Vista a distância, enquanto aguardava o atendimento da DRCT, ela demonstrava um semblante de tristeza.

SEGUNDA FASE

A história é um alerta para que os pais e responsáveis fiquem mais atentos ao que os jovens fazem nas redes sociais. Na Delegacia de Crimes Tecnológicos, a versão sobre o caso foi contada pela própria jovem à delegada Vanessa Lee. Segundo o depoimento, a moça pesquisou sobre o assunto na internet, onde chegou ao grupo do jogo. “Foi uma conversa difícil porque a gente precisa fazer a vítima confiar no nosso trabalho”, disse a delegada.

No Facebook, a adolescente encontrou várias pessoas que a apoiaram a cometer o suicídio. “Ela mesmo ressaltou que os administradores do grupo disseram que quem está triste e depressivo tem mesmo de se matar”, informou Vanessa. A jovem afirmou que estava na “segunda fase”, na qual lhe foi passada a missão de fazer cortes nas coxas e no ombro esquerdo. A titular da DRCT ressaltou que este foi o primeiro caso registrado por vítima do jogo. “Já tivemos uma denuncia registrada há poucos dias, mas a queixa apontava uma suposta existência do jogo”, frisou. Agora temos a denuncia de quem participou diretamente. Após o registro do Boletim de Ocorrência Policial, Vanessa encaminhou a vítima para o Instituto de Criminalística para fazer perícia por lesão corporal, uma vez que ela ainda apresenta os cortes pelo corpo. O aparelho de telefone celular dela também deve passar por perícias.

O JOGO DA BALEIA AZUL

Ninguém sabe como o jogo da Baleia Azul surgiu, mas se especula que foi iniciado na Rússia, em 2015, e se espalhou pelo mundo até chegar ao Brasil. De acordo com investigações da polícia, o Baleia Azul já teria sido responsável por pelo menos 2 suicídios de jovens no Brasil e mais de 100 na Rússia.

O jogo funciona da seguinte forma: os curadores são os organizadores dos desafios e selecionam quem pode participar. Eles mandam convites aos usuários escolhidos, seja pelo Facebook ou pelo WhatsApp. A partir daí, enviam um desafio a cada dia e os prazos para cumprir a tarefa. O último desafio termina com a morte do envolvido. Quem não cumpre tem a família ameaçada.

(Denilson D’Almeida/Diário do Pará)