/Em ano eleitoral, deputados usam a ‘destinação de recursos públicos’ para alavancar popularidade

Em ano eleitoral, deputados usam a ‘destinação de recursos públicos’ para alavancar popularidade

Nos últimos meses uma “onda de mídia” tem aumentado com a tal destinação de emendas parlamentares, liberadas por deputados federais. Fale ressaltar que as “emendas parlamentares” são recursos públicos, ou seja, dinheiro do povo.   

O Orçamento federal brasileiro, que estabelece onde será gasto o dinheiro público é definido de forma conjunta pelo Palácio do Planalto e pelo Congresso Nacional. O governo é responsável por formular a proposta, e os deputados e senadores a modificam e aprovam. Mas há uma espécie de atalho no Orçamento que dá aos deputados e senadores acesso facilitado a um pedaço das verbas, sem a necessidade de submeter o gasto à discussão e aprovação de seus colegas. São as emendas parlamentares.

As emendas são “pedidos” que deputados e senadores fazem para incluir no Orçamento despesas específicas, como pavimentar uma estrada ou reformar um hospital. Costumam ser destinadas às cidades onde estão os eleitores do parlamentar, para fortalecer laços políticos. Mesmo que esteja incluída no Orçamento, a liberação efetiva dos recursos depende de uma ordem do governo. 

Mesmo que esteja incluída no Orçamento, a liberação efetiva dos recursos depende de uma ordem do governo. Por isso, as emendas parlamentares se tornaram uma forma de barganha política entre o presidente da República e os congressistas.

O que mais chama a atenção é que para liberarem as emendas, os deputados foram obrigados a votarem em propostas que não são benéficas a população e que agradam somente aos grupos políticos do governo, como exemplo: a aprovação da reforma trabalhista e o arquivamento do impeachment do Presidente Michel Temer.  

FIQUE ESPERTO NA HORA DE VOTAR EM OUTUBRO – AS RAPOSAS JÁ COMEÇARAM A APARECER.  

Compartilhar