/Delegada revela como ocorria o estupro de 2 crianças com a participação de um médico

Delegada revela como ocorria o estupro de 2 crianças com a participação de um médico

Médico sendo levado para fazer exame de corpo delito.

Alvaro Cardoso Magalhães, Odete Friss (paraguaia) e Darliane Silva dos Santos, presos na manhã desta segunda-feira (3), dentro da operação “Anjo da Guarda”, desencadeada pelas polícias Civil e Militar, em Santarém

De acordo com a delegada, as investigações começaram há cerca de um mês, logo que a polícia recebeu a informação de que o médico estava aliciando crianças do sexo feminino, por meio de algumas mulheres.

“O médico pedia para que uma das mulheres estimulasse o órgão genital das crianças. Esse material foi flagrado no celular de Darliane. Também tivemos acesso a conversas trocadas entre a mãe da criança de três meses e o médico, que comprovam a prática delituosa”, declarou Adrienne Pessoa.

Delegada Adrienne Pessoa na coletiva.

A criança que Darliane estimulava os genitais e filmava para que o médico visse era uma menina de 2 anos e 8 meses. Os pais desconheciam o fato, uma vez que a criança era deixada aos cuidados de Darliane. Eles foram ouvidos em depoimento pela delegada do caso.

Materiais como netbook, tablet, celular dentre outros eletrônicos que armazenam mídias, foram apreendidos na casa do médico.

Na coletiva, a delegada disse que Odete, mãe da bebê de 3 meses, mantinha relação com o médico. “Em depoimento, a Odete revelou que numa oportunidade o médico ejaculou no rosto da criança e no seio dela para que a criança mamasse. A materialidade está comprovada”, disse.

Em conversas que estavam armazenadas no celular, havia uma em que o médico sugeria que da próxima vez se encontrariam os cinco, que a delegada entendeu que seriam ela, o médico, a Darliane e as duas crianças.

Mais gente será investigada e ainda podem acontecer outras prisões, segundo informou a delegada Adrianne Pessoa.

A criança de três meses está sob os cuidados da avó e a de 2 anos e 8 meses está com os pais. Caberá à justiça determinar qual o destino da criança de três meses.

Enquadramento

De acordo com a delegada Adrienne Pessoa, o médico Álvaro Cardoso Magalhães será enquadrado no Art. 217, “a”, do CPB (Estupro de Vulnerável), Art. 240, “a” e 241, “b”, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei 8.069, que tratam de crime de Pedofilia.

O indiciamento das mulheres também será pelos crimes de Pedofilia e estupro de vulnerável.

Reportagem do G1/Santarém. 

Compartilhar